A menina e o monstro

A dor já começa cedo, quando criança,

Ao ter seus cabelos penteados por sua mãe.

A cada puxão, uma lágrima desce e você não entende

Por que tem que ser assim?

Será que nas outras meninas também dói?

Porque ‘pixaim’?

Palavra dura essa, não como o meu cabelo, mas eu ouvi.

E só agora entendi, depois de grande.

Porque quando criança, sentada entre as pernas da minha mãe,

Eu só queria que aquela sessão de tortura acabasse logo.

Só agora, depois de grande, também entendi,

Que não era normal uma criança

Botar uma toalha na cabeça, e então amar o seu “cabelão”,

Brincar de cabelão…

Isso não é brincadeira!

É opressão.

Porque eu não conseguia amar meu cabelinho, então? Nunca me ensinaram.

Foi então que, depois de grande, conheci a palavra “padrão”…

É um monstro esse tal!

ALISA!

ESCOVA!

MAGRA!

ALTA!

NÃO, MUITO ALTA!

MUITO BAIXA!

BARRIGA?

CADÊ PEITO?

CADÊ BUNDA?

MELHORA ESSA CARA!

BISTURI NELA, ENTÃO!

BRANCA!

PRETA? NÃO…

Até quando esse monstro

Vai fazer menina chorar?

Vai fazer mulher se esconder?

Vai perturbar a mente da moça,

A ponto de querer deixar de viver…

Ou só viver pra ser o que o monstro quiser?

Menina mulher, não deixa ele te definir,

Não deixa esse tal te recortar, te cortar, te ferir, diminuir…

Vai pra cima e mostra quem tu é, mulher!

Tu é força, é cicatriz curada, é mão estendida

Pra moça que ainda chora,

Que ainda pira quando se olha

E acha que não é nada.


Suellen Gonzaga é Fisioterapeuta, amante de boas conversas, cafés, abraços, cozinhar e longos áudios. Também gosta de passar tempo olhando o céu e pensando na grandeza e bondade do Pai.


O conteúdo e as opiniões expressas neste texto são de inteira responsabilidade de sua autora e não representa a posição institucional da ABUB, outra instituição ou de todas as organizadoras e colaboradoras do Projeto Redomas. O objetivo é criar um espaço de construção e diálogo.