Criação refletida – alguns questionamentos sobre o que vemos no espelho

Falar sobre beleza não é fácil, tem muita subjetividade, muita pessoalidade. E também tem muita influência midiática, industrial e cultural. Quando nos propomos a pensar padrões de beleza estéticos-corporais, temos que procurar levar em consideração tudo isso. E hoje, eu coloco mais um elemento na equação: a bíblia.

Geralmente a abordagem bíblica que as pessoas usam pra falar sobre beleza estética ignora ela mesma, ou seja, nos leva a valorizar o interior em detrimento do exterior, sermos “bonitos por dentro”. Por exemplo, em I Samuel 16 Deus diz ao profeta: “O Senhor não vê como o homem; pois o homem vê a aparência mas Deus vê o coração”. E apesar de todos nós concordamos que sim, nossas atitudes são mais importantes pois elas fazem quem somos, a verdade é que nós também somos nossos corpos. A verdade é que Davi pecou porque viu a beleza de Bate-Seba e a abusou.

Se a materialidade dos nossos corpos não importasse então por que Deus nos faria corpo? Por que enviaria seu filho em carne para nos salvar? Nós sentimos e vivemos as coisas não só “internamente” mas também na pele, no corpo. Nós sentimos as relações nesse corpo. Então como responder aos padrões? Como viver no século XXI, numa sociedade multi-cultural, complexa, industrial e massificadora? Como olhar no espelho e lidar com aquilo que vemos?

A bíblia não fala sobre padrão de beleza em si, mas ela fala de pessoas bonitas no seu tempo, como por exemplo, Ester, Davi, Absalão, Jezabel, Saul… Reparei que as descrições físicas começam a ficar mais escassas no Novo Testamento, mas não sei bem dizer o porquê. Sei que a beleza no Antigo Testamento era muito associada a poder, mas não sei dizer se Ester era magra ou gorda, alta ou baixa, de olhos castanhos ou verdes. Talvez um estudo aprofundado sobre a época e os padrões vigentes pudesse nos dar dicas, mas hoje em dia nem levaríamos em conta isso porque a nossa cultura é totalmente diferente da época bíblica.

Pra Jesus o corpo importava e ele realizava milagres curando doenças, tornando a vivência naqueles corpos mais leve e melhor, mas nunca se deixava impressionar pelas diferenças estéticas das pessoas. Sei que muito provavelmente Jesus era negro, sei que não tinha cara de rei, sei que ele teria dificuldade de passar pela imigração dos EUA hoje em dia…

Já Cantares é um livro cheio de descrições estéticas-eróticas, os poemas não apenas enaltecem partes do corpo, mas também as sexualizam. Interessante, não é? Talvez a bíblia lide muito melhor que nós, cristãos do século XXI, com o corpo e a sua materialidade. Além disso, os textos de Cantares trazem a Sulamita reconhecendo a própria beleza e o próprio corpo em vários momentos.

Eu sou um muro, e meus seios são as suas torres. Assim me tornei aos olhos dele como alguém que dá paz.

Salomão possuía uma vinha em Baal-Hamom; ele entregou a sua vinha a arrendatários. Cada um devia trazer pelos frutos da vinha doze quilos de prata.

Quanto à minha própria vinha, essa está em meu poder; os doze quilos de prata são para você, ó Salomão, e dois quilos e meio são para os que tomaram conta dos seus frutos.

Cantares 8:10-12

Os caminhos para encontrar uma “teologia da beleza” são tortuosos, eles sempre nos levam a reconhecer que Deus está mais interessado nas nossas atitudes e pensamentos, mas também nos levam a encontrar textos como estes, onde o corpo é foco, onde o material é vivido, porque faz parte de quem somos.

E algumas coisas podemos aprender nesses caminhos – as quais joguei breves diretrizes para você pensar e pesquisar mais aí na sua casa:

Somos corpo, corpo material, moldado do material.

Então o Senhor Deus formou o homem do pó da terra e soprou em suas narinas o fôlego de vida, e o homem se tornou um ser vivente. Gênesis 2:7

Somos criação divina e Deus acha que ela é muito boa.

E Deus viu tudo o que havia feito, e tudo havia ficado muito bom. Gênesis 1:31a

Esse corpo muda, se transforma e é efêmero.

Afaste do coração a ansiedade e acabe com o sofrimento do seu corpo, pois a juventude e o vigor são passageiros. Eclesiastes 11:10

Mas esse corpo importa e Jesus veio em carne para sentir a dor no seu corpo.

Aquele que é a Palavra tornou-se carne e viveu entre nós. João 1:14a

Nós sentimos coisas nesse corpo e o nosso próximo também.

‘Ame o Senhor, o seu Deus de todo o seu coração, de toda a sua alma e de todo o seu entendimento’. Este é o primeiro e maior mandamento. E o segundo é semelhante a ele: ‘Ame o seu próximo como a si mesmo’. Mateus 22: 37-39

Que esse corpo é de Deus, cuidamos dele, pois Ele nos deu para cuidarmos como mordomas da sua criação.

Acaso não sabem que o corpo de vocês é santuário do Espírito Santo que habita em vocês, que lhes foi dado por Deus, e que vocês não são de si mesmos? 1 Coríntios 6:19

Meu filho, escute o que lhe digo; preste atenção às minhas palavras. Nunca as perca de vista; guarde-as no fundo do coração, pois são vida para quem as encontra e saúde para todo o seu ser. Acima de tudo, guarde o seu coração, pois dele depende toda a sua vida. Provérbios 4:20-23

Que reconhecer a própria beleza e a beleza no outro é algo que todos os que creem em Deus devem fazer.

“Negra eu sou e (sou) bela

Filhas de Jerusalém

Como as tendas de Quedar

Como as tendas de Salma”

Cantares 1:5 (traduzido da Bíblia Hebraica Stuttgartensia, BHS – leia mais sobre esse texto aqui)

Se todo o corpo fosse olho, onde estaria a audição? Se todo o corpo fosse ouvido, onde estaria o olfato? De fato, Deus dispôs cada um dos membros no corpo, segundo a sua vontade. Se todos fossem um só membro, onde estaria o corpo? Ora, vocês são o corpo de Cristo, e cada um de vocês, individualmente, é membro desse corpo. 1 Coríntios 12:17-19 e 27

E saber que somos corpo e além dele.

“O Senhor não vê como o homem: o homem vê a aparência, mas o Senhor vê o coração”. 1 Samuel 16:7

O coração em paz dá vida ao corpo, mas a inveja apodrece os ossos. Provérbios 14:30

Ao olhar no espelho, que nós possamos ver a criação divina refletida e não todos os nossos ditos defeitos, que a gente olhe para nós mesmo com cuidado e amor, com respeito a nossa história nossas dores. Que a gente pense sobre a nossa cultura massificadora e se pergunte se um Deus tão criativo, diverso e cheio de Graça está sendo glorificado nessa procura louca por estarmos no padrão. E que a gente tenha esses mesmos pensamentos ao olhar para a nossa próxima.

E que Deus nos perdoe, por pecarmos contra a sua criação.

 


Bianca Rati cursa Design Gráfico na UFPR, é cristã, feminista e sommelier de pipoca.


O conteúdo e as opiniões expressas neste texto são de inteira responsabilidade de sua autora e não representa a posição institucional da ABUB, outra instituição ou de todas as organizadoras e colaboradoras do Projeto Redomas. O objetivo é criar um espaço de construção e diálogo.