No silêncio, não se calar!

Texto base: 2 Samuel 13: 1-22

Mulheres de todo Brasil,

Começo esse estudo abrindo meu coração em solidariedade e sororidade por todas as mulheres oprimidas em suas dores e medos, devido a covardia que vem na história. A história que vamos nos deparar agora é mais atual que a bíblia em si. Vivemos numa sociedade oprimida que oprime desenfreadamente, que nos cala. Mas te convido a refletir e falar aos quatro ventos.

Vamos ao texto: 2 Samuel 13: 1-22.

  1. Depois de algum tempo, Amnom, filho de Davi, apaixonou-se por Tamar; ela era muito bonita e era irmã de Absalão, outro filho de Davi.
  2. Amnom ficou angustiado a ponto de adoecer por causa de sua meio-irmã Tamar, pois ela era virgem, e parecia-lhe impossível aproximar-se dela.
  3. Amnom tinha um amigo muito astuto chamado Jonadabe, filho de Siméia, irmão de Davi.
  4. Ele perguntou a Amnom: “Filho do rei, por que todo dia você está abatido? Quer me contar o que se passa? ” Amnom lhe disse: “Estou apaixonado por Tamar, irmã de meu irmão Absalão”.
  5. Então disse Jonadabe: “Vá para a cama e finja estar doente”. “Quando seu pai vier visitá-lo, diga-lhe: Permite que minha irmã Tamar venha dar-me de comer. Gostaria que ela preparasse a comida aqui mesmo e me servisse. Assim poderei vê-la. “
  6. Amnom atendeu e deitou-se na cama, fingindo-se doente. Quando o rei foi visitá-lo, Amnom lhe disse: “Eu gostaria que minha irmã Tamar viesse e preparasse dois bolos aqui mesmo e me servisse”.
  7. Davi mandou dizer a Tamar no palácio: “Vá à casa de seu irmão Amnom e prepare algo para ele comer”.
  8. Assim, Tamar foi à casa de seu irmão, que estava deitado. Ela amassou a farinha, preparou os bolos na presença dele e os assou.
  9. Depois pegou a assadeira e lhe serviu os bolos, mas ele não quis comer. Então Amnom deu ordem para que todos saíssem; depois que todos saíram,
  10. Amnom disse a Tamar: “Traga os bolos e sirva-me aqui no meu quarto”. Tamar levou os bolos que havia preparado ao quarto de seu irmão.
  11. Mas quando ela se aproximou para servi-lo, ele a agarrou e disse: “Deite-se comigo, minha irmã”.
  12. Mas ela lhe disse: “Não, meu irmão! Não me faça essa violência. Não se faz uma coisa dessas em Israel! Não cometa essa loucura.
  13. O que seria de mim? Como eu poderia livrar-me da minha desonra? E o que seria de você? Você cairia em desgraça em Israel. Fale com o rei; ele deixará que eu me case com você”.
  14. Mas Amnom não quis ouvir e, sendo mais forte que ela, violentou-a.
  15. Logo depois Amnom sentiu uma forte aversão por ela, mais forte que a paixão que sentira. E disse a ela: “Levante-se e saia! “
  16. Mas ela lhe disse: “Não, meu irmão, mandar-me embora seria pior do que o mal que você já me fez”. Ele, porém, não quis ouvi-la,
  17. e chamando seu servo, disse-lhe: “Ponha esta mulher para fora daqui e tranque a porta”.
  18. Então o servo a pôs para fora e trancou a porta. Ela estava vestindo uma túnica longa, pois esse era o tipo de roupa que as filhas virgens do rei usavam desde a puberdade.
  19. Tamar pôs cinza na cabeça, rasgou a túnica longa que estava usando e se pôs a caminho, com as mãos sobre a cabeça e chorando em alta voz.
  20. Absalão, seu irmão, lhe perguntou: “Seu irmão, Amnom, lhe fez algum mal? Agora, acalme-se, minha irmã; ele é seu irmão! Não se deixe dominar pela angústia”. E Tamar, muito triste, ficou na casa de seu irmão Absalão.
  21. Ao saber de tudo isso, o rei Davi ficou furioso.
  22. E Absalão não falou nada com Amnom, nem bem, nem mal, embora o odiasse por ter violentado sua irmã Tamar.
  • De acordo com contexto. Qual relação de Tamar com Amnom? Quais os efeitos dessa relação em Amnom? (v. 1 a 4)
  • A mentira é a raiz de atos impensados. Amonm dá ouvidos a ideia de seu astuto amigo, que lhe cai bem, claro. Que planos eram esses? O que levou Amnom agir dessa forma?
  • Observe (v. 6 e 7) os atos de Davi respondendo ao pedido de Amnom. Sua postura como pai foi correta?
  • Tamar reluta e lembra o meio-irmão das consequências dos atos sobre ela, além de moral, teria consequências da lei (Lv.18.11). O que seria deles? Por que ele não dá ouvidos a ela? Por que a aversão? (v.11 ao 15)
  • Tamar não se cala, mas é calada! Em gesto de luto, ela rasga suas vestes e põe cinzas na cabeça, evidenciando a violência que sofreu. Como você percebe esse silenciamento no texto?
  • Omissão de Davi e Absalão diante dos fatos. O que essa omissão acarretou nos relacionamentos? (v. 29. Assim os homens de Absalão mataram Amnom…). O que essa omissão revela sobre esses homens diante da violência? (v. 21 e 22)

A covardia de um pai e de um irmão, deixa que um opressor “manche” a honra e toda a vida de uma moça. Em vários momentos a submissão de Tamar é evidenciado como exemplar, uma moça que seguia as regras da época, não por pressão, mas provavelmente por respeito e educação. Tanto que ela faz todas as coisas para Amnom, até o momento de ser violentada, com dedicação e submissão. Não se trata aqui de uma submissão ao sexo masculino, mas sim aos princípios de uma educação e padrão cultural. Sendo que não estou julgando ou questionando a submissão feminina.

TAMAR é calada, mesmo em um ato de não se calar. Na época rasgar as vestes e colocar cinzas sob a cabeça era um gesto de demonstrar luto, de indignação. Que consigamos seguir falando e se preciso “rasgando vestes”.  (Texto de opinião pessoal -JK)

  • Em nossos relacionamentos nos omitimos muitas vezes, seja por opiniões diferentes, intelectualismo superior, cultura… O que essa omissão tem acarretado em seus relacionamentos?
  • As vezes o lado patriarcal ainda “bate”/está nos homens, que não medem esforços para ter uma mulher. Qual sua opinião, isso é histórico, cultural? Atual, passado? Deixa pra lá? Ou vamos falar?
  • Tamar até no momento de ser violentada não se calou. Mas, olhando nossos dias, quantas vezes temos nos calado ou não temos sido ouvidas. Pense no seu grupo de estudo ações para dialogarem sobre esses assuntos, temas e questões de gênero.

 

” Pra morrer de amor

Sou livre

Cada um escolhe o que quer viver”

(Roberta Campos)

Que possamos viver essa liberdade: de escolha, de amor, de igualdade, de amabilidade, de Cristo e ser livre.


Jéssica Kelly Ribeiro, 26 anos. Catarinense ‘gringa’ em Rondônia. De formação acadêmica Nutricionista, de cada dia Missionária. Obreira da Aliança Bíblica Universitária na região Centro-Oeste.


O conteúdo e as opiniões expressas neste texto são de inteira responsabilidade de sua autora e não representa a posição institucional da ABUB, outra instituição ou de todas as organizadoras e colaboradoras do Projeto Redomas. O objetivo é criar um espaço de construção e diálogo.